Conecte-se a nós

Contate-nos: (19) 3241-8533

Buscando, acolhendo e nutrindo os discípulos e discípulas do Senhor Jesus Cristo

 IPJG - TV  Boletim dominical da IPJG Campinas

 

 

 

Campinas,  27 de Julho de 2014

 

  

 

DEVEMOS AGIR COM JUSTIÇA EM RELAÇÃO AO CONFLITO

ENTRE JUDEUS E PALESTINOS:

“A BÍBLIA NÃO NOS ENSINA A SERMOS PARCIAIS”.

 

 

            Nos últimos dias, o conflito entre judeus e palestinos tem se intensificado na região de Gaza, e dezenas de mortes foram registradas em ambos os lados. Nesse contexto, o pastor John Piper publicou um artigo dizendo “como os cristãos evangélicos devem se posicionar em relação ao conflito entre judeus e palestinos”.

 

           Para Piper, a justiça pauta a fé cristã e a situação deve ser analisada de forma imparcial, mesmo sendo os judeus o povo escolhido por Deus no Velho Testamento.

 

            “Há razões bíblicas para abordarmos ambos os lados com justiça pública compassiva, da mesma maneira como deveriam ser resolvidos os outros conflitos entre nações. Em outras palavras, a Bíblia não nos ensina a sermos parciais em relação a Israel ou aos palestinos porque qualquer deles tem um status divino especial. Não estou negando que Israel foi escolhido por Deus, dentre todos os povos do mundo, para ser o foco de bênção especial na história da redenção, que culminou em Jesus Cristo, o Messias”, escreveu o pastor.

 

            Nesse contexto, John Piper afirmou que a disputa por terras entre os dois povos é uma situação delicada e que não há uma receita simples para se chegar a uma conclusão sobre a celeuma: “Nenhum desses fatos bíblicos nos leva a apoiar Israel atual como o possuidor legítimo de toda a terra disputada. Israel talvez tenha esse direito, mas talvez não o tenha”.

 

            Para explicar sua postura, Piper afirma que “um povo que não cumpriu a aliança não tem um direito divino de possuir a terra santa”. O pastor diz ainda que “tanto o estado de bem-aventurança como o direito privilegiado de possuir a terra estão condicionados a Israel guardar a aliança que Deus fez com esse povo”, e cita a passagem de Êxodo 19.5 para conceituar seu raciocínio: “Deus havia dito a Israel: ‘Se diligentemente ouvirdes a minha voz e guardardes a minha aliança, então, sereis a minha propriedade peculiar dentre todos os povos’. Israel não tem qualquer garantia para experimentar no presente o privilégio divino, porque não está guardando a aliança com Deus”.

 

            John Piper diz ainda no texto republicado pelo Púlpito Cristão que “Israel como um todo rejeita hoje o seu Messias, Jesus Cristo, o Filho de Deus” e “este é o ato crucial do rompimento da aliança com Deus”.

 

            Na conclusão de seu artigo, John Piper sugere o cristianismo como a solução dos problemas na região: “O apelo cristão no Oriente Médio, tanto aos judeus como aos palestinos, é: ‘Crê no Senhor Jesus e serás salvo, tu e tua casa’ (Atos 16.31). E até aquele Grande Dia, quando judeus e palestinos seguidores do Rei Jesus herdarão a Terra (e não apenas a terra), sem levantarem espada ou metralhadoras, os direitos das nações devem ser decididos por princípios de justiça pública e compassiva, e não por reivindicações de status ou direito divino”.

 

Fonte - http://noticias.gospelmais.com.br

 

 

 

 

 

Para ler o BOLETIM na íntegra em pdf clique AQUI

Para ampliar o texto em pdf mantenha a tecla Ctrl pressionada e gire a rodinha do mouse